O Revolucionário e o Estudo: por quê não estudamos?

March 3, 2015

Autor: Sergio Lessa

 

ISBN: 978-85-65999-21-2.

 

Páginas: 120

 

1ª edição: Instituto Lukács, 2014

 

R$ 6,50 + Frete

 

Clique aqui para baixar este livro grátis em PDF

 

Orelha: Conforme as gerações de revolucionários se sucedem, cresce a ignorância entre seus membros. Os revolucionários da geração de Marx e Rosa Luxemburg conheciam Marx e Engels, a filosofia clássica e a história, além de conviverem com os grandes debates no interior da II Internacional. Passadas poucas décadas, já não se conhecia tanto a filosofia, mas mantinha-se o contato com o fundamental de Marx e Engels. Ao redor dos anos de 1940, os manuais começam a substituir Marx, Engels e Lenin – a filosofia e a historiografia já estão quase abandonadas. Nos anos de 1960, os revolucionários deixaram de estudar os clássicos. Marx e Engels são citados cada vez mais protocolarmente.Ao chegarmos aos nossos dias, os revolucionários não estudam e sequer leem jornais diários! E muito dessa trajetória foi realizada sob a bandeira leninista: “Sem teoria revolucionária não há movimento revolucionário”!Como isso foi possível? Quais as forças sociais que impulsionam essa reprodução ampliada da ignorância entre os revolucionários? Como combatê-las? Enfim: o que é o estudo, para o revolucionário, nos dias de hoje? Essas são as questões centrais de O Revolucionário e o Estudo.

Contra-capa:

“Sem teoria revolucionária não há movimento revolucionário”. Todos concordam com essa tese de Lenin. Contudo, nos partidos e nas organizações revolucionárias os processos de “formação” não vão além da doutrinação (que nada tem a ver com o estudo revolucionário). Por outro lado, os indivíduos, mesmo quando sinceramente desejam, não conseguem estudar. Por que isso é assim? Como enfrentar essa situação? Como estudar, hoje? O que significa produzir uma teoria revolucionária em nossos dias?

 

Sumário:

 

Introdução
PARTE I - POR QUE NÃO ESTUDAMOS?
Capítulo I - O estudo e o momento histórico
Somos o que fazemos
Um cotidiano “alérgico” ao estudo
Capítulo II - O reformismo e o estudo
As derrotas revolucionárias
Capítulo III - Vida cotidiana e o estudo
As nossas experiências “de formação”
Não há meio-termo: tudo ou nada!
Recuo e tragédia
PARTE II - A PRÁTICA DO ESTUDO
Capítulo IV - A importância da ortodoxia
Capítulo V - Os clássicos e a história
A ciência da história
Como não estudar: os intelectuais e a universidade
Capítulo VI - Um pouco de técnica
A leitura imanente
Por onde se iniciar?
Conclusão
Anexo I - Crítica ao praticismo revolucionário
Um pouco de história
A práxis stalinista e o novo militante
Semprún tinha razão: a “dialética” se transformou na arte do embuste
O voluntarismo
O praticista e a teoria: o caso brasileiro
Por que “Sem teoria revolucionária não há revolução”?
Conclusão
Anexo II - Roteiro para o estudo da história
Bibliografia
PARTE I - POR QUE NÃO ESTUDAMOS?
Capítulo I - O estudo e o momento histórico
Somos o que fazemos
Um cotidiano “alérgico” ao estudo
Capítulo II - O reformismo e o estudo
As derrotas revolucionárias
Capítulo III - Vida cotidiana e o estudo
As nossas experiências “de formação”
Não há meio-termo: tudo ou nada!
Recuo e tragédia
PARTE II - A PRÁTICA DO ESTUDO
Capítulo IV - A importância da ortodoxia
Capítulo V - Os clássicos e a história
A ciência da história
Como não estudar: os intelectuais e a universidade
Capítulo VI - Um pouco de técnica
A leitura imanente
Por onde se iniciar?
Conclusão
Anexo I - Crítica ao praticismo revolucionário
Um pouco de história
A práxis stalinista e o novo militante
Semprún tinha razão: a “dialética” se transformou na arte do embuste
O voluntarismo
O praticista e a teoria: o caso brasileiro
Por que “Sem teoria revolucionária não há revolução”?
Conclusão
Anexo II - Roteiro para o estudo da história
Bibliografia

Tags:

Please reload

Publicações

A Impossib...

1/50
Please reload

Cursos e conferências

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Postagens recentes
Please reload

Todas as postagens